CNO presente no 4º Encontro Nacional de Centros Novas Oportunidades

O 4º Encontro Nacional de Centros Novas Oportunidades decorreu, no dia 30 de Novembro, no Pavilhão Multiusos, em Guimarães, onde participaram cerca de mil pessoas.

Este encontro, levado a cabo pela Agência Nacional para a Qualificação, através dos Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação, focou-se no que tem sido a Iniciativa Novas Oportunidades e no trajecto que a mesma seguirá.4º Encontro Nacional de Centros Novas Oportunidades

O programa do encontro assentou em 3 partes:

Parte 1 – Resultados e evidências da Iniciativa Novas Oportunidades e dos Estudos de Avaliação Externa;

Parte 2 – Boas Práticas de Centros Novas Oportunidades, Trabalhar em Rede;

Parte 3 – Novo Ciclo da Iniciativa Novas Oportunidades, Rumo a 2015.

Destaque para a Parte 3, – “O novo ciclo da Iniciativa Novas Oportunidades: 2011-2015” apresentada pelo Dr. Luís Capucha, Presidente da ANQ.

 

Apresentado assim as principais metas para o período 2011-2015:

 

Meta Geral: Aumentar em 2,5 anos a escolaridade média da população

 

Metas no Eixo Jovens:

  • Assegurar uma taxa de escolarização de 95% dos Jovens até aos 18 anos a partir do ano lectivo 2013/2014;
  • Acrescentar em 20.00 os alunos a frequentar cursos profissionais ou outros cursos vocacionais de nível secundário face ao valor verificado em 2010/2011;
  • Crescer em 10% o número de alunos a frequentar cursos de dupla certificação em sectores ligados a novas qualificações para novas áreas de crescimento do emprego;
  • Redução do abandono escolar precoce para 10%, mantendo um decréscimo de 5 pontos percentuais ao ano nos próximos 4 anos;
  • Aumentar a taxa de empregabilidade dos jovens após 6 da conclusão de um cursos de dupla certificação de nível secundário para 80%.

Metas no Eixo Adultos:

  • Certificar um milhão de portugueses, com a seguinte distribuição:350.000 com uma certificação escolar de nível básico;300.000 com uma certificação escolar de nível secundário;350.000 certificados em cursos de dupla certificação.
  • Atingir um número médio igual ou superior a 200 horas de formação certificada por formando;
  • Assegurar o crescimento da taxa de participação em actividades de aprendizagem ao longo da vida, de modo a atingir a média europeia em 2015;
  • Reduzir de 50% para 25% os inquiridos situados no nível 1 da escala PIAAC e crescer para 15% no nível 5.

Comments are closed.